Pataniscas Satânicas

Pataniscas Satânicas

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Gengis Khan e os Amigos da Natureza!

Falei no outro dia sobre árvores e sobre como estávamos a causar a sexta extinção massiva.
Por curioso que possa parecer, nem a causar Extinções em Massa somos originais.

Há 540 milhões de anos existiam os seres vivos multi-celulares mais antigos do planeta, os Ediacaria.


A Terra estava coberta por jardins intermináveis e pacíficos destes seres vivos que não se percebe bem se eram animais, plantas ou o quê?

Até que de repente, não se sabe bem porquê, há uma explosão de variedade de seres vivos completamente diferentes do que havia antes. A Explosão do Câmbrico é quando surgem a maior parte das famílias de animais modernos que existem hoje.

Foram os animais do Câmbrico os responsáveis pela extinção massiva dos animais Ediacarianos.


Gosto da ideia de organismos que sejam "engenheiros ecológicos", capazes de alterar de forma significativa o meio ambiente no qual existem.

É isso que nós somos.

E já o somos há muito tempo, que o diga o Mamute.

Quero falar-vos de um dos principais engenheiros ecológicos humanos.
Devem haver poucas pessoas que, individualmente, tenham tido tanto impacto no ambiente.

O Gengis Khan.


Para os distraídos, o Gengis Khan foi a pessoa que conseguiu criar o maior império de territórios contíguos do mundo.

Recorrendo a um misto de superioridade tecnológica (arcos recurvados), mestria do combate a cavalo, enorme mobilidade, uma disciplina férrea, e, sobretudo, estratégias impiedosas e sem-misericórdia, o Império Mongol no seu pico era de 33 milhões de quilómetros quadrados.
Ia desde a Croácia a Oeste até ao Vietnam a Leste.

Imaginem um tsunami de morte e destruição imparável, e têm uma noção razoável de o que eram os Mongóis.


Uma das estratégias que os Mongóis usavam e que os tornavam tão eficazes era o hábito que tinham de oferecer às cidades que iam conquistar a possibilidade de se renderem sem luta. Se o fizessem, tudo bem, eram só escravizados.
Se recusassem essa oferta inicial de se renderem pacificamente, os Mongóis depois matavam TODA a gente na cidade.
Durante o saque à cidade de Urgench, em 1221, terão sido mortas 1.2 milhões de pessoas.



Podia passar aqui umas boas horas a contar as desgraças que o Gengis Khan e a sua Horda Mongol trouxeram ao mundo, mas dou-vos dois exemplos que para mim são significativos.

No fim do Séc. 12 o mundo Islâmico estava no seu auge. Tinham uma sofisticada cultura literária e artística, e estavam na dianteira do avanço científico do mundo, com importantes avanços na matemática e na astronomia.
Num momento da história em que a Europa e o mundo Ocidental só por essa altura estavam a recuperar da queda do Império Romano, a cultura islâmica estava no seu auge, e era uma séria candidata a dominar a história humana a partir daí.

Depois aconteceram-lhes os Mongóis.

Em 1258 invadem Bagdad e destroem indiscriminadamente hospitais, templos, bibliotecas, palácios, supostamente atiram livros suficientes ao Eufrates para que este corra preto por causa da tinta. Pelo caminho matam pelo menos 200.000 pessoas.

Não contentes com isso, destroem os sistemas de irrigação do Irão e do Iraque, destruindo a indústria agrícola que sustentava a região, e causou uma fome que terá morto muito mais pessoas do que a própria batalha.
A região só recuperaria verdadeiramente já quase no Séc. 20.


Outro exemplo:

Sabem como os Russos são duros de roer? Se calhar até já ouviram que o termo "General Inverno", pela dureza do inverno russo e o seu papel a repelir invasões.

Em 1812 Napoleão leva o seu "Grande Armée" de 610.000 homens, e tenta invadir a Rússia.
Os russos em vez de atacarem o exército Francês simplesmente batem em retirada e queimam as colheitas e as aldeias, impedindo assim que os franceses as utilizassem, deixando-os expostos ao frio do Inverno.
Napoleão é derrotado, e regressa com apenas 20.000 soldados.


Em 1941, os Nazis, com a sua Operação Barbarossa, tentam invadir a Rússia.
Estavam à espera de uma invasão relâmpago e nem estavam a contar com ter de combater durante o Inverno. Não tinham equipamento que os protegesse do frio.
Devido a atrasos nos movimentos das tropas, o Inverno chega, e os Nazis perdem 800.000 soldados, não conseguem invadir a Rússia e isso acaba por lhes custar a Segunda Guerra Mundial.


Os Mongóis ESPERAM pelo Inverno para invadirem a rússia.
Os rios gelados serviram-lhes de auto-estradas para entrarem mais depressa no país.

É assim tão bad-ass que os Mongóis eram.


No fim, Gengis Khan e os seus Mongóis terão morto 40 Milhões de pessoas!
10% da população do mundo na altura.

Curiosamente, esta diminuição brutal de população, e o atraso civilizacional que implicou, fez com que as florestas tivessem tempo de crescer, e ao fazê-lo capturar carbono da atmosfera, o que por sua vez levou a um arrefecimento global.

Nós só agora nos estamos verdadeiramente a consciencializar do nosso poder como Engenheiros Ecológicos, e a ideia de impacto humano no ambiente é uma noção verdadeiramente moderna na nossa cultura.

Mas aqui temos um homem que no Séc. 13 estava a causar tanta destruição ao ponto de ter um impacto no clima mensurável com escalas do Séc. 21.

E que esse impacto tenha sido positivo? Reduzindo o CO2 atmosférico? Priceless!!!

Portanto proponho que a partir de agora passemos a ensinar o Gengis Khan às crianças como um herói da protecção ambiental!


Captain Gengis Planet!!!


4 comentários:

  1. O grande khan matou muita gente, mas também engravidou muita.
    Quando estiveres no comboio em hora de ponta, olha para a tua esquerda, depois para a tua direita. Essas duas pessoas provavelmente são descendentes do gengis khan. E tu também.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Devíamos fazer isto https://www.23andme.com/

      Eliminar
    2. a certa altura, deviamos mesmo fazer isso!

      Eliminar
  2. Os fantásticos Rhett and Link fizeram um vídeo em que analisam a sua ancestralidade genética!

    https://youtu.be/Zdw4ozDD2XU

    ResponderEliminar